terça-feira, 11 de abril de 2017

Parecer Bem

Percebo que a nossa geração dicotomizou a vida em sentimentos positivos e/ou bons fluidos em contraste com os afetos negativos e/ou angustia. Essa leitura positivista transformou a vida boa ou bons sentimentos se é assim que posso dizer, como a única, possível e aceitável forma de se viver. Essa leitura da existência nega e exclui quaisquer que sejam os sentimentos, reflexões ou situações que causem tristeza, frustação e angústia. Vivemos sobre a ditadura do “parecer bem”. Se observamos nossas redes sociais não existe a possibilidade do “não curtir”, ou “não concordo”, e essa falta de oposição ou diferença cauterizou o ser humano ao ponto de não mais conseguir refletir sobre si mesmo e sobre o que pensa e posta. Tenho ouvido com muita frequência a expressão, “estou me sentindo para baixo”, “não gosto de me sentir triste” ou “tem algo de errado comigo as coisas não dão certo”. Ao ouvir tais relatos percebo o quanto reduzimos a vida ou as perspectivas de se viver. Sempre quando posso respondo a essas pessoas dizendo que o sol e a chuva caem sobre todos sejam bons ou ruins e que o desconhecido e o imprevisível deve ser aceito como atos da graça comum de Deus a todos os homens. Que os sentimentos e as angústias são como claraboias que permitem a entrada de luz a iluminar o nosso interior e o vento para levar o que não serve mais. Na maioria das vezes são os sentimentos que mais renegamos que são capazes de lançar luz sobre os escombros do nosso narcisismo, egoísmo; e também sobre nossas potencialidades nos depurando como o ouro. São as dores que nos humaniza para que não sejamos levados pela selvageria da vida. Então meu caro amigo ao invés de dizer que está se sentindo para baixo, diga: “Eu estou me sentindo mais para dentro”, e curta a viagem. T. Antunes 11/04/2017

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Futuro

O futuro inexiste. Tudo é presente, e o que já não é presente é passado, ao qual jamais se pode retornar, exceto por meio da memória, capaz de retratar imprecisamente o passado no presente. A memória é o anzol empenhado em fisgar o que subjaz nas águas turvas do rio de Heráclito. Futuro é sempre quimera. Existe na conjugação dos verbos, nos sonhos, nas ambições e nos projetos. É a morada do desejo. E o desejo, pulsão vital, nunca se contenta com o presente. Insaciável, escancara-nos à beira da encruzilhada: ser ou ter.Frei Beto – Aldeia do Silêncio, p. 50-51.

Sobre a Noite

A noite é um estado de espírito. Quando nos rouba o sono, atemoriza, turva a visão, obscurece a mente, atira-nos num redomoinho capaz de erguer e fazer flutuar todo o lixo que trazemos na alma. A noite alucina os fantasmas ocultos nos recôndidos do nosso ser; arrranca-os de suas cavernas e, ébrios de loucura, eles bailam ao ritmo de nossas covardias, medos e indecisões. Ameaçam, com suas pompas fúnebres, nossas frágeis esperanças; despedaçam-nas ao encontro das rochas do destino. Este é implacável! Quem se sobrepõe aos ditames da morte? Onde a luz de Diógenes vislumbra um rumo? Trafegamos tontos por nossas próprias inseguranças. Até que a noite, desfalecida pelo irromper da aurora, nos entregue lúcidos, assustadoramente lúcidos, nos braços acolhedores do dia. Dissipados fantasmas e temores, ingressamos na luz que aquieta o coração e livra a mente de todo estupor. Resta-nos, então, caminhar, caminhar ainda que sem rumo, mas caminhar. Paulo Freire – Aldeia do Silêncio, p. 49-50.

terça-feira, 26 de março de 2013

O pior tipo de relação é quando você tem que ficar o tempo todo medindo palavras, atitudes, negociando. Sinceramente concordo com Sartre: "O inferno são os outros". Esse tipo de relação mais parece com uma prisão do que uma possibilidade para se ser. Precisamos de um novo modelo de relação, onde existam menos contratos e mais aberturas, menos negócios e mais acolhidas. Vamos ser mais maduros e menos melindrosos. Ama-dureSer... Amar para ser!

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Eu

Por Thiago Antunes

É tão difícil falar de nós mesmos. Porém posso dizer que sou um rapaz alto astral e bem humorado. Tudo isso herdei dos meus pais, que sempre me proporcionaram amor, alegria e muito aconchego. Além do mais sou uma pessoa que acredita que o mundo precisa de humor, de alegria, e de otimismo. Sendo assim sempre quando posso espalho essa semente. Gosto ser descomplicado nas decisões difíceis, porém calmo quando se exige uma resposta rápida. Sou apaixonado pelos meus pais, minha irmã, sobrinha, enfim amo muito minha família. Sou uma pessoa muito afetuosa e apegada aos valores familiares. Não posso deixar de citar que ainda sou bem dependente deles emocionalmente, quando digo isso, quero frisar que não me vejo sem o seu apoio e aceitação que sempre me proporcionaram a segurança necessária para vencer os desafios. Sou uma pessoa com uma fé bem fundamentada, creio em Deus e Jesus Cristo. Acredito piamente que a fé é a mais poderosa força que nos impulsiona a vida, a vencer os desafios, a superar os dramas. Falando assim fica evidente, que sou uma pessoa religiosa. De fato o sou, mas não um religioso alienado, e sim, um religioso sensato, que acredita no seguinte lema: “Por uma razão que crê e por uma fé que pensa”, sou esse tipo de cara. Que busco agregar os saberes religiosos e científicos para melhor compreender a mim e o meu universo sejam pessoas, coisas, etc.. Sou também demasiadamente humano, o que quero dizer com isso é o seguinte: não tenho medo do meu passado, dos meus erros, hora sou firme como a rocha, outras mole como o angu, me revelo objetivo e sensato, mas também contraditório e ambíguo, não tenho medo de chorar na frente dos outros, não gosto de me parecer forte, prefiro ser sensível, sou elegante e educado, porem há dias que sou ríspido e chato. Cansei de ser o que os outros dizem, não sou escravo da opinião social. Prefiro me reinventar a todo instante, a tomar novos contornos, e ouvir o meu coração. Aprecio uma boa música, sou bem eclético no quesito estilo, pois, a cada contexto uma determinada melodia se torna significativa, seja qual for. Gosto de bons livros, principalmente nas áreas de teologia, filosofia, historia, psicologia, romance, anime, rs. Acredito que é preciso ler para ser. Pois, a leitura me possibilidade ver o mundo com muitos olhos. Sempre quando posso estou lendo. Sou assim eu passo pela vida e a vida passa por mim, sou um cara profundamente sensível, permito que a vida resvale em mim e que eu construa a minha vida, e nessa dialética vou a cada dia sendo uma metamorfose ambulante.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Amor

"Só o amor pode nos socorrer de nossas misérias. Só ele pode nos alcançar no fosso de nossas vergonhas. O que me redime é o amor que amo, porque nele Deus me encontra com seu poder de complementos". (Fàbio de Melo)

Espalhando sementes de paz

por Max Lucado

“Semeai para vós em justiça, ceifai segundo a misericórdia; lavrai o campo de lavoura”
Oséias 10.12.

Quer ver um milagre? Plante uma palavra de amor profundo na vida de uma pessoa. Cultive-a com um sorriso e uma oração, e veja o que acontece.

Um empregado obtém um elogio. Uma esposa recebe um buquê. Um bolo é assado e levado ao vizinho. Uma viúva é abraçada. Um frentista do posto de gasolina é honrado. Um pregador é aplaudido.

Espalhar sementes de paz é como semear feijão. Você não sabe por que funciona; sabe apenas que funciona. Sementes são plantadas, e camadas de solo magoado são removidas.
Não esqueça o princípio. Nunca subestime o poder de uma semente.

Extraído do livro “O Aplauso do Céu”